28 de abr de 2008

Violenta

Tema-me.

Meu toque chamuscado
minha saudade violenta
meu dilacerado verso violeta.
O fogo pelas ventas,
minhas vísceras versadas,
vias lentas.

Tema
meu anátema, meu tango,
meus olhos embriagados.
O vento furacão
rebentado do meu peito.

Tema-me
no poema irrompido
na dor repentina.
Tema este tema mal escrito,
este rito macabro
de poeticamente sofrer.

Tema
meus dentes carnívoros
minha fome monotemática,
sintomática da saudade.
A voracidade,
impetuosidade inebriada.

Tema perder-me.
Amando-me hiperbolicamente
em cada temeridade,
em cada tremor desafinado.

Tema-me,
violenta-mente,
e durma sem medo em meus braços.

8 comentários:

julia disse...

sem palavras Yara

Raiz disse...

Tema-me,
violenta-mente,
e durma sem medo em meus braços.


que lindo!

Leila Saads disse...

Se toda a violência do mundo fosse assim... O céu seria vermelho-paixão.

:*

Elliott disse...

poema-me
em versos violentos...

* hemisfério norte disse...

obrigada pela visita
gostei da violência
em toque chamuscado
bjs
a
http://miniminimos.blogspot.com/

Pinky disse...

Tou com medo =X

hehehehehe


Muito bom o poema, minha linda!!!

Só estou com mais medo do teus dentes carnívoros a partir de hj... Pode ser que a minha carne esteja no cardápio :P

Bjão
:**********

cel disse...

impossível comentar
impossível estar a altura
impossível compreender como vc consegue fazer isso...

mocaba16 disse...

não temo...