23 de jul de 2008

Exame

E se eu me abrisse?

Se o fio deste olhar
fosse corte em meu peito
(que, tal flor, abriria)
para que me visses o avesso...

Se numa tomografia
analisasses
meu amor em fatias...

Se me radiografasses
pra me ver aqui dentro
em profunda fotografia...

Se, estetoscópico,
internamente me ouvisses...

Se eu me abrisse
tu adentrarias?

5 comentários:

Salve Jorge disse...

Como já disse
Gritando no precipício
Por vício
Puramento por isso
Se te abrisses
Eu olharia
O dedo pelos cantos passaria
E sem pedir licença
Adentraria
Talvez por mania
Mas é que se fosses verso
Eu versaria...

Joao disse...

seus versos são como um enorme coração pulsando. sabe, o mario quintana dizia que um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que é ele que está lendo a gente, e não a gente a ele.
o seu faz isso. me examinou.

J.R. Lima disse...

Se abre,
por que adentrar?
(será necessário?)
Se fecha,
como?
(será possível?)
um paradoxo concreto
ou um dilema secreto?
(será?)

H.Hora disse...

Difícil não adentrar em tamanho lirismo.

ps: difícil não é entrar, é sair.

Elliott disse...

Se eu me abrisse
tu adentrarias?

esse final eh perfeito