18 de dez de 2008

Dissabor

Não sou
tua flor.
Sou bruta.

Sou espinhosa.
Saborosa
fruta de cicuta.
Prova a gota!

Cansei de esperar
teu verso vadio.
(frio)

Vou te injetar
meu dissabor.
Peçonhenta palavra
de desamor.

24 comentários:

Moacy Cirne disse...

Muito bom o seu 'Dissabor'. Aliás, cheguei através de Cosmunicando. (Na verdade, atraído pelo nome do blogue, já aparecera anteds por aqui.) Um abraço.

Marrí disse...

Espinhos tem sabor de flor. De duros, rasgam, exalando (o)dor... por onde passam os ventos, falam de si.

(O)dor, falam de si. falam de amor

fernando cisco zappa disse...

duro
roto
todo
doído

late a dor: amador!

evoé poeta!

Jaya disse...

Eu fico boquiaberta quando encontro poesia que faz bagunça em mim, inteira.

Teus versos, moça, saem da tela, e seguem valsando de mãos dadas com quem os lê. Os sente.

Melhor descrição de "Dissabor", não encontro por aí. Assim, tão bem adjetivado. Tão bem desenhado. Com possibilidade de nos deixar pintar igual.

Beijos, moça.

P.S.: Feliz Natal. 2009. Feliz Feliz! (:

Nanda disse...

Caralho! :x
LINDO DEMAIS!

Alex Pinheiro disse...

Que medo!!! rs

Verdade,,, tinha lembrança do nome sim (Atraversando), no entanto preferi o anonimato, hehe
Então não nos perdemos mais,,, ;)

Bjs e novas invenções!

maa.rcela disse...

seja dissabor, desamor, está lindo !

J.R. Lima disse...

oi, que legal isto aqui!

Interessante também a seqüência, do de-gustar ao dis-sabor.

transformar
o amargo em licor
o veneno em remédio
e des-saborear
(de-gustar sem des-gostar!)

que, amanhã, o sol nasce e o sabor será outro.

Raíza Rocha disse...

Esperar-te era minha vigília de castidade...
Cansei de esperar teus versos, teu cheiro, teu vigor.
Vou-me embora.
Não sou tua.
sou uma bruta flor espinhosa.
e você há de provar meu dissabor.

cherry disse...

suas palavras...


sem palavras!

BEIJOS

Pavitra disse...


do dissabor ao desamor
é um espinho.
tbm sei o que é esperar por um verso vadio (que não vem)

gostei, beatrice!
beijos

Sabrina Sanfelice disse...

Fui envenenada
Mas degustei pouco a pouco
Pra morrer em êxtase
Ah, esse desamor
Que de flor em flor,
Palavra em palavra
Desabrochou
Para se tornar aquilo que é:
néctar.

Você me faz viajar com seus poemas. São maravilhosos.

madrugatta disse...

bom...MUITO BOM
adorei
bj
feliz natal e um bom 2009

Sandra Regina de Souza disse...

Muito boa a dualidade do paladar...nos dois poemas: Inspiradores são os sabores... e no fundo o amargo tbm dá prazer...

Miguel Barroso disse...

Belos espinhos. Fiquei ensanguentado e feliz.


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Julio Melo disse...

eita...
muito massa..
acaba com o cara esse poema...
parabns

valeu pelo coment...

Angel disse...

Gostei da maneira como brincas com as palavras.
Gostei do teu blog.
Parabéns.

Muitos beijinhos

Um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.

Bill disse...

Um dis(sabor)... um espinho a lembrar, bebendo da primeira gota um des(amor) puro.

Minha amiga Poetica, fiquei feliz em ter sido tu minha minha amiga, assim pude conhecer um pouco de suas palavras.(=

Feliz natal, tudo de bom pra tu e para todos ai.

:**

Ps: Desculpe, não sei fazer poesia, as palavras só me saem em prosa...e tudo torto...

Alex Pinheiro disse...

Caraaaca,,, fiquei muuuuito feliz com a bio-poema,,, rs

Reprduzi no InventO, sem permissão mesmo, uma vez que trata-se de um presente para mim, hehe

Bjs e comemoradas invenções!

Cris de Souza disse...

poetisa de mão cheia !

J.F. de Souza disse...

Num ímpeto
de tomar-te
só pra mim, ó flor
Usei da força

Um espinho
atraversado
em meu peito
faz meu sangue verter
até a garganta
até os dias de hoje

Por isso,
o gosto amargo

J.F. de Souza disse...

Feliz 2009, qrida!!! =D

Rayanne disse...

MARAVILHOSO!!!!!!!!!!!!!

Cá, eu. Boquiaberta.

**Estrelas!**

Rubens da Cunha disse...

muito bom esse poema. obrigado pelas visitas e comentários no casa,
volte sempre como virei sempre atravessar aqui.
beijos