8 de abr de 2009

(Re)atalhos

Andante minha, manda
por correio
um átomo de riso nômade.

Do lugar onde és vento
roçando montanhas.
Onde os fios fusos e trópicos
dos teus cabelos
são confusos.
Onde, sob o sol posto,
tu metamorfoste bicho.

E lembra que sempre há
uma curva oca
um (a)talhado
buraco de minhoca.

Lá te encontro.

15 comentários:

Elliott disse...

hummm...

• c disse...

visceral. trasnlúcido. difuso. constante. distante. tudo que gostaria de ter dito, e você disse.

Leila Saads disse...

Ah, Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba, saudade boa é aquela que tem algum conforto... Triste é sentir falta daquilo que já não é mais, daquilo que só existe aqui dentro da gente, sabe? Ficou lindo o poema...
=*

Cosmunicando disse...

sem palavras...

Eurico disse...

Belíssimo poema, mais uma vez. Vc vai fundo no que quer expressar...

Raíza Rocha disse...

tenho te encontrado andante em minha memória...
lugar onde és presença
Atalho, retalho
de lembranças...

Fernando Costa disse...

Arte!

Pura invençao e dominio, aqui visto e sentido.

Surpresa!

Porque ainda pairam os olhos na tua davida.

Semelhantes!

Na simplicidade e coragem.

Parabens!

Fostes Plena.

(Fernando Costa)

Thiago disse...

desarmado.

Sandra Regina de Souza disse...

quando seus versos tingem a tela do meu pensamento... fico em silêncio. Parabéns mais uma vez!! bjos

Alex Pinheiro disse...

não importa o lugar... o encontro encanta.

bjs e emendadas invenções!

J.F. de Souza disse...

(re)(a)talho
corto meus caminhos
e chego
antes de você
a lugar nenhum

só pra te esperar

J.F. de Souza disse...

Eu sei, faz tempo que eu não apareço por aqui, né? Vc me perdoa, linda? =)

=*

Rafael disse...

Átomos de vento
Curvas tão confusas
Metamorfose dos cabelos
das minhocas nômades
No correio oco do atalho
meus (re)talhos são encontrados

disse...

Fiquei particularmente encantada com átomo de rido nômade. Lindo!

Aline Aimée disse...

Perfeito!
Não consigo parar de reler!