24 de jun de 2009

Grão

o grão na ampulheta
que se organiza
e desliza
para as mãos que tateiam

infinito de
sensações sensoriais
sensações cereais

um saco de nãos
para as mãos

o grão que fecunda
que é feto
submersa semente

sêmen_ti

10 comentários:

Antonio Araújo Jr. disse...

bonita!
esse grão demorou pra germinar, eu vi! todo dia peço um dia ganhar a mesma grandeza do grão...grãodeza

Jaya disse...

Sensações cereais.
E os últimos versos.

Ah, dona moça...

Quisera eu uma coletânea tua pra sair por aí, atraversando. Tão poesia, seria meu perfume...

Beijo, e mais outro.

Salve Jorge disse...

Engraçado
Entrei no bailado
E só pensava
"Drão
O amor da gente é como um grão
Uma semente de ilusão.."
Som que me levava
Embalava
Um fado...

Elliott disse...

oia rapaz... tah aprendendo!! kkkkkkkkkk

:P

Ramon Alcântara disse...

E tudo é descendo, mesmo o não mais bem dito, cai, como o sêmem e seu grão e sua vida, caem na ampulheta até que mão desvire tudo.


abzzzzzzzz

Fernando Costa disse...

Simplesmente Lindo

Raíza Rocha disse...

"sardade da voz de brisa...

Rafael disse...

Eu quero os meus cereais
Para as sementes serem reais
E somente ter sonhos a mais
Do que os extrasensoriais

Priscila Milanez disse...

belo texto, moça!

Aline Aimée disse...

Genial!