31 de jul de 2010

Abrir os olhos

Há um amor que não é cego.

Ele elimina o glaucoma
descortina retinas
revela o velado
o que foi vilipendiado
dispersa a neblina
para tecer teia entre nossos gestos.
Mata ou morre
apenas para ver a aurora.

Amor que é elo,
des
alien
Ação.

2 comentários:

J.F. de Souza disse...

amor límpido. lindo isso. :)

Elliott disse...

a idéia é ótima mas falta lapidar