5 de jul de 2010

Manzana

Ana manzana
tentadora fruta temporã.

Quisera morder
tuas maçãs despidas
aquecidas em compotas
despudoradas, excitadas
curvas morenas carameladas.

Tuas coloridas carnes
cheias de sumo
cheias de samba
nas sandálias.

Quisera morder-te
fruta atípica
cítrica cabrocha.

Venha temprano,
Ana mañana.
Para eu amar-te
da raiz ao sumo.

8 comentários:

Elliott disse...

se é vida que queres... viva.

Antonio Araújo Jr. disse...

ceba! claro que dá pra participar. pode inclusive chamar quem vc quiser. funciona assim: cada um escolhe um jornal de sua cidade, ou o jornal de sua preferência e vai à agência de classificados levando seu anúncio poético. decidimos que o barulho é maior se todos pedirem publicação para o mesmo dia, que, no caso, é dia 17 próximo. depois que publicado vc pode mandar a fotografia ou a imagem escaneada pra mim (arautonho@gmail.com) que eu posto no blog… ou, melhor ainda, vc mesma pode postar no blog…
temos um grupo de discussão no googlegroups. seria ótimo que vc entrasse... me passa seu email que te convido!
Abração, Yara!!

AC disse...

A tentação de Eva no paraíso, ou Eva (manzana) virando tentação...

Maria Rodrigues disse...

Sempre que leio seus poemas fico encantada com a fluência de sons, ritmos e imagens em construção.
Este é mais um que não foge à regra,
tem sua marca.
Belíssimo Yara, como sempre.
Parabéns!

Cel Bentin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cel Bentin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cel Bentin disse...

quando passeio cá, pareço estar num teatro: sou plateia escura buscando a senha que veste a manzana tua de cada cena. já sinto sacar tua assinatura; e minha vontade segue imaginando, provocada, de que balaio tu tece e refina a letra... rs bom final de semana pra ti!

J.F. de Souza disse...

dessa fruta eu também quero. =P

heheheheheheheheh

=*