31 de jul de 2010

Palavras ao vento

O diabo é o vento.

Brinca de invisível...
Tentador,
esparrama aromas.
Ou manda a brisa
virar tempestade.

O diabo é vento,
movimento inventado.
Levitando saias,
eriçando pelos.
E abandonando.

O diabo é volátil
é o que se esvai
evapora
desmancha
dissolve
desprende-se
atmosférico.

É volúvel
vírus mutante
errante
efêmero
confusão difusa.
É o diabo este vento!

Pois que ele me tome
em seus infernais furacões.
Que sou pássaro
e sei bailar no infinito.

3 comentários:

J.F. de Souza disse...

UAU! =D

Eu, que gosto muito de usar o vento como mote pra meus poemas, fiquei embasbacado com esse teu!

PERFEITO! =D

=*

Pinky disse...

É resposta a um poema meu... hehehehehe...

Elliott disse...

hummm intertexto .
kkk