9 de ago de 2010

Duvidando

Dúvidas
nos poros dos morangos
encobertas
pela condensação do leite.
Dúvidas em névoa.

Mordo cada dúvida
nos gomos da tua carne.
Dúvidas criando músculos.
Meticulosas, trabalhadas.

Dúvidas viúvas,
perdidas de causas,
enlutadas, resignadas...

Duvido
de resposta categórica
indivisível
indubitável
que as vença.
Ao invés,
divido contigo
os dividendos da dúvida.
As dívidas, as dádivas.

No fundo
a dúvida
é névoa
divagação...

3 comentários:

Anônimo disse...

No fundo
A dúvida
é uma desculpa
pra conclusão.


Moua

João disse...

A "duvida", as vezes, pra mim, perde um pouco do ritmo. Mas gostei tanto do:

"Dúvidas viúvas,
perdidas de causas,
enlutadas, resignadas..."

Gostei também, e me identifiquei com estes:

"Ao invés,
divido contigo
os dividendos da dúvida.
As dívidas, as dádivas",

De sorte que fala da dúvida pálida e cansada dos céticos, não da dúvida fecunda, da inquietação que faz gostarmos de poesia...

Beijos.

Elliott disse...

Mordo cada dúvida
categoricamente
enlutado
resignado.

No fundo
da névoa
divago...
a dúvida
as dádivas...

mesmo que as vença
nos gomos da tua carne
duvido
dos dividendos
do leite
condensado.