27 de out de 2010

De(s)dicatória

A poesia não diz.
Mas contempla teu nome
pré-fabricado
e não evita
versar a primavera.

Ela lembra
o beijo ausente,
pressente o corte.
Tergi-versa a dedicatória.

A poesia arre-pende?
Ela tende a ser tua
tende
a tocar na pele
um acorde meio Hendrix.



(Esta é para Lee Flôres, poeta apaixonante do www.expressaoprefabricada.blogspot.com , que contém flores em seu verso, em seu nome, em seu ser. E, mimado, gosta de dedicatórias.)

4 comentários:

Grã disse...

Que, quem não gostar de um mimo, atire a primeira rosa!

Lindas, sempre.

Elliott disse...

:~~~~~~~~

Raoni Moura e Carolina Zuppo Abed disse...

Prometi que iria voltar, voltei e novamente gostei!

Elliott disse...

A poesia diz
teu nome -
atraversado
feitiço
de primavera.

Ela se revela
no beijo
na pele
no corte
no acorde de Hendrix.

Sem arrependimentos
ausência -
sêmen
anti-tergiversação.

Ela minha
tende
a dedicar.