19 de out de 2010

Verso Cego

Penumbrou-se
a poesia.
A retina ardia
uma escuridão.
Ainda assim,
li flores em teus olhos.
A densidade das hipérboles
dilatando pupilas.

Éramos
platônicos personagens
na caverna.
Estalactites.
O medo da fresta
aguardando o facho
da palavra luz.

Éramos 33
fomes e sedes chilenas
presas na mina germinal
centro ígneo útero
da terra, que sempre erra
o resgate.

Nem o pernilongo.
Nem a estrela.
Nem o beijo.
Nada ousou rasgar
a cortina da noite.

O verso
apenas adormeceu
no invisível som
do respirar.

3 comentários:

Caranguejúnior disse...

Que linda homenagem! os 33 merecem seus versos...

Rafael disse...

Ficou ótima a homangem, mesmo!
Bjs

Lara Amaral disse...

Nossa, não houve nada nesses versos que não fosse a mais rica e intensa metáfora. Perfeito, moça!

Beijo.