16 de nov de 2010

Indício

Sei da terra erodida
dos grãos que ficam
de sulcos rugas

da então dor
do lábio
medo humano
de se dar e se morder.

Mas se eu orvalhar
na terra, na verde folha,
uma saliva suficiente
ou jorrante,
não tenhas dúvida:
amanheci.

4 comentários:

AC disse...

A delicadeza em profundidade...
Que belo, Yara!

beijo :)

João disse...

Melhor que a certeza do ressentimento, da exaustão, é, para além disso, viver. Ou, mais do que viver em si mesmo para além das rusgas do cotidiano, é ter certeza disso: "não tenhas dúvida: amanhecemos".

Belos e simples estes versos.

Luna Sanchez disse...

Pantando-se...que bonito! =)

Beijo, beijo.

ℓυηα

leila saads disse...

tenho pensado muito no Medo, com letra maiúscula... Aquele que não proteje, paralisa.