1 de fev de 2011

Das coisas tuas

Da mágica fecundada
encubada
nas cores do cubo;

da nudez da fruta
penca de peças brancas
despencando do tabuleiro;

do aço cirúrgico
que atravessa
a língua
o peito
e surge e arde urgente
dentro do beijo;

da veia que se salienta tão azul
costurando tatuagens:
marcas
que te maculam;

das pencas de coisas tuas
extraio
destilo
o medo de pisar a uva
e ela vinhar
vingar copo e corpo adentro.

3 comentários:

CARLA STOPA disse...

Tomara que venha a vinhar...a vingar...Grande abraço.

Salve Jorge disse...

Nâo tema
Já não há mais problema
Meu novo lema
É que vinho de ti
Vindo
Vi indo
Vil lindo
Desdenhoso de saber se venci
Verti
Ver te
Embriaguez sem volta...

Junior Oliveira disse...

bonito poema!!