18 de jan de 2011

Nuas uvas

As uvas pedem
que tua paciência
as descasque.

Uvas
que se sabem lentas
quentes pencas
esperadas.

Elas pedem
que pouses
o breu do teu
contemplar
sobre claras carnes nuas.

E só então
após
e apenas
que mordas
que chupes
uvas
com a avidez de vulvas
e a delicadez de avencas.

7 comentários:

Leonardo B. disse...

[intenso o poema, que tarde ou cedo toma os aromas e a inebriante cor do vinho, da vida]

um imenso abraço, Yara

Leonardo B.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Belo poema...

abraço!

° Marrí disse...

"O sabor destas uvas
adoçou-me os sentidos
fez saliva virar rio"

Lara Amaral disse...

Uau!

Adoro te ler ;)

Beijo.

CARLA STOPA disse...

Adorei atravessar-te...Lindo aqui.

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo o que tem pra ler. E observando o que tem para observar. E Exaltando o que tem de ser Exaltado. Estou lhe desejando um Tempo de Harmonia e de muita Inspiração. Entendo ter um blogue Agradavel, muito bom e Interessante. Eu, também tenho um. Muito Simplório por sinal. E estou lhe Convidando a Visitá-lo e, mais. Se possivel Seguirmos juntos por eles. Estarei Muito Grato esperando por Você lá.
Abraços de verdade e, fique com DEUS

MAILSON FURTADO disse...

Belo post...

Belo blog...

Parabéns muito bom seu espaço, voltarei aqui mais vezes...

Convido vc a conhcer meu trabalho (poesia, música, teatro)

Ficaria feliz demais!

http://mailsonfurtado.com