24 de mar de 2008

Boneca rubra

Dorme, criança
emaranhada.
Porque em teu sono
descansam afiados trovões.

Dorme, boneca cacheada.
Cerra tuas labaredas,
teus universais olhos,
tuas longas cortinas de cílios.

Dorme, pequena bruxa.
Tua porcelana pintada
cobre interior ígneo,
rochedo em marcha
a exorcizar espectros.

Dorme,
russa matrioshka,
em teu vestido rodado.
Porque teu sono nublado
prepara, sereno,
uma alvorada desalienada.

2 comentários:

julia disse...

adorei o poema cuspido
voltei
heeuheuheu
;*

Anônimo disse...

Vizualisei....



Clandestina